Livro em sete dias

Published on julho 22nd, 2018 | by Ana

1

‘Ligações’, de Rainbow Rowell

Neste mês de leituras conjuntas, decidimos conhecer “Ligações”, da Rainbow Rowell (Novo século, 2015). E é claro que estávamos com as expectativas lá em cima, por conta de “Fangirl”, “Eleanor e Park” e “Anexos”. Se querem saber, não nos decepcionamos.

Sinopse: Georgie Mccool sabe que seu casamento está estagnado. Tem sido assim por um bom tempo. Ela ainda ama seu marido, Neal, e ele também a ama, profundamente – mas o relacionamento entre eles parece estar em segundo plano a essa altura.
Talvez sempre esteve em segundo plano.
Dois dias antes da tão planejada viagem para passar o Natal com a família do marido em Omaha, Georgie diz a ele que não poderá ir, por conta de uma proposta de trabalho irrecusável. Ela sabia que ele ficaria chateado – Neal está sempre um pouco chateado com Georgie –, mas não a ponto de fazer as malas e viajar sozinho com as crianças.
Então, quando Neal e as filhas partem para o aeroporto, ela começa a se perguntar se finalmente conseguiu. Se finalmente arruinou tudo.
Mas Georgie estava prestes a descobrir algo inacreditável: uma maneira de se comunicar com Neal no passado. Não se trata de uma viagem no tempo, não exatamente, mas ela sente como se isso fosse uma oportunidade única para consertar o seu casamento – antes mesmo de acontecer…
Será que é isso mesmo o que ela deve fazer?
Ou ambos estariam melhor se o seu casamento jamais tivesse acontecido?

Julgamos o livro pelo título e pela capa

Ana: “descobri” que a combinação de cinza e amarelo é muito comum em uma feira de maternidade no Rio: havia kits e mais kits assim. Mas este mix não me agrada, em geral. Mesmo com o livro emprestado na minha estante, por exemplo, o livro não me chamava atenção. 

Marcela: adorei a capa e toda a edição, assim como o título

Autora

Ana: Rainbow Rowell não tem uma obra extensa ainda, mas li quase todos os livros dela (com exceção de “Carry On: Ascensão e Queda de Simon Snow”) e já posso dizer é uma das minhas autoras preferidas. Os livros de Rainbow são tão diferentes entre si – do perfil dos personagens, passando pela faixa etária deles, até a mensagem que ela deseja passar -, que eu só me pergunto como conseguirá encontrar novos universos “daqui em diante”.

Marcela: mais uma vez, a autora consegue me surpreender com sua capacidade de contar boas histórias e criar personagens maravilhosos

Protagonista

Ana: não é difícil ser injusta com as pessoas que se ama em meio às demandas deste tempo. Quem nunca descontou na mãe, na melhor amiga, no namorado – justamente quem sempre está ali por nós e, talvez, justamente por esta confiança – o stress vivido na faculdade, no trabalho, no trânsito? Não é difícil, inclusive, tornar estas situações constantes e desequilibrar totalmente a balança. Georgie vacila bastante neste sentido, mas ela também sofre com isso, o que nos faz acreditar em seus sentimentos. É ainda uma mulher ambiciosa, decidida e engraçada, que nos inspira sob outros pontos de vista. Adorei acompanhar a sua jornada pessoal.

Marcela: Georgie é mais uma protagonista que não é perfeita e, justamente por isso, é tão fácil se identificar com ela e torcer pelo seu final feliz.

Coadjuvantes

Ana: o esposo de Georgie, Neal, não é um homem perfeito, mas ele acha que certas coisas não deveriam o incomodar – como a busca de Georgie pela realização profissional, como a presença de um melhor amigo em sua vida – e, por isso, não externaliza o que sente, na maioria das vezes. Talvez isso traga alguns problemas ao longo de sua história, mas ele me convence de que sua motivação é boa. Neal é um cara que tenta ser incrível para a esposa e as filhas o tempo todo. Seth, melhor amigo de Georgie, é principalmente imaturo, e se vê na beira dos 40 anos sem ter construído nada além da carreira (ou quase nada). Mas ele também sempre estará ali por Georgie. Não sou o tipo de leitora que pede continuações e spin-offs de todos os livros que gosta, mas me apeguei tanto aos dois (e torci tanto pelas suas felicidades), que gostaria de ler uma versão de Neal para “Ligações” (mas talvez não fosse boa, já que Neal quase não fala, nem ri. Um desperdício inteiro de covinhas!) e, principalmente, uma outra história de Seth.

Marcela: Neal e as filhas são totalmente encantadores. Seth também me cativou, apesar de seus muitos defeitos. Agora, a família de Georgie é tão maravilhosa que me arrancou verdadeiras gargalhadas.

Trama

Ana: em um mundo literário em que casamentos são guardados geralmente para finais felizes (uma tática que já me dá preguiça, pois parece que é preciso esse selo, independente até da idade dos protagonistas para termos algumas certezas como leitores), encontrar um livro que começa 15 anos após o enlace matrimonial já é bem diferente. Mas a forma como o casamento e a crise nele são tratados é ainda menos frequente, pois abre mão de um ideal romântico por um realismo ainda mais bonito. “Ligações” foi um livro, para mim, sobre construção de relacionamentos, as diferentes formas de amor, e o que é felicidade. Desde a primeira até a última página, reflexões importantes são conduzidas por uma escritora madura. E de forma tão deliciosa e envolvente, que por mais que eu tenha me irritado com os personagens diversas vezes (“Por que você viajou?”, “Por que você deixou chegar a este ponto?” ou, uma das perguntas sem resposta que me incomodam, “Por que você não atende o telefone?”), eu mais sofri com eles do que os julguei. Isto, Georgie e Neal devem mais aos flashbacks com suas versões jovens e cativantes que integram o livro, e me fizeram chorar mesmo num dos momentos mais alegres da história.

Marcela: uma história com um toque de fantasia que me fez pensar em escolhas de vida, fases de um relacionamento e expectativas. Essa trama maravilhosa me deixou ainda mais fã da autora, que arrasa ao contar histórias sobre personagens em todas as fases da vida, sejam adolescentes (como em Eleanor & Park), universitários (Fangirl), jovens adultos (Anexos) e agora, um pouco mais velhos, casados e em crise. Cada um desses livros traz dilemas, situações e diálogos totalmente compatíveis com as idades, estilos de vida e responsabilidades de cada uma dessas etapas. 

Ponto forte

Ana: eu poderia apontar as reflexões geradas pelo livro, mas como isto seria praticamente citar tudo, vou escolher os momentos fofos dos jovens Georgie e Neal, que me fizeram acreditar no resto.

Marcela: o bom humor

Um livro para

Ana: reavaliar sua dedicação às relações

Marcela: pensar em relacionamentos


About the Author



One Response to ‘Ligações’, de Rainbow Rowell

  1. Pingback: ‘Universos afins’, de Rainbow Rowell – Cuida Bem do Meu Livro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑

Gostou do nosso conteúdo? Nos acompanhe nas redes sociais!

  • Facebook
  • Instagram
  • SOCIALICON